Polo Soluções Gerenciais

Excelência Operacional é usar para cada “doença” o remédio correto”!

Por: Leonardo Mendes*

Ao longo destes anos, venho presenciando nas empresas algo difícil de entender, pelo menos na sua maioria.

Venho percebendo um desalinhamento completo entre a necessidade de recuperação de resultados e estratégias de atuação e crescimento. Empresas que, por exemplo, precisam urgentemente realizar uma redução de custos, mas que começam pelo corte de programas essenciais como a implantação de TPM (Total Productive Maintenance). Programa que visa fazer o básico de forma correta, eliminando grandes perdas e, por consequência, perdendo a oportunidade de obter uma boa otimização destes custos.

Na verdade, a única explicação que vejo é a falta de entendimento do que realmente é cada metodologia, seus objetivos e como aplica-las. Não culpo esta boa parte de profissionais, pois o que mais verificamos é uma “enxurrada” de metodologias novas aparecendo e siglas complexas que, no fundo, significam a mesma coisa ou, até mesmo, programas híbridos de outros mais antigos e renomeados.

Neste artigo, vou procurar esclarecer um pouco como podemos ter uma maximização de resultados aplicando de forma conjunta a Teoria das Restrições, o Lean 6 Sigma e a Confiabilidade.

De forma geral, os problemas enfrentados pela maioria das empresas, podem ser resumidos da seguinte forma: descontrole dos processos, excesso de desperdícios e gerenciamento deficiente de ativos e pessoas.

Como já comentei em artigos anteriores, temos uma equação que resume, em grande parte, o comportamento de vários problemas. A equação Y = F(X).

Nesta equação podemos perceber que para todo desafio ou meta (Y) existem variáveis (X) que dificultam o seu alcance de alguma forma (função). Dependendo de como estas variáveis atuam no processo, o seu “Y” varia com uma amplitude tão elevada, que caracteriza a total falta de controle, acarretando perdas gigantescas nas empresas e, o que é pior, sem ao menos deixar expectativas de melhora a curto prazo, pois nem conhecer o que de fato está acontecendo, ou seja, nem saber quais são as variáveis X’s que de fato estão causando tamanho transtorno, sabe-se.

Imagine uma situação que, entra ano e sai ano, você continua com os custos de embalagem de sua empresa altos. Já fez várias melhorias, conseguiu até reduzir alguma coisa, mas não consegue chegar nem perto do ideal e muitas vezes precisa encarar a situação de conviver com estes custos subindo e descendo de forma repentina e sua vida se transforma numa constante explicação do porquê do não atingimento destas metas.

Com a adoção do 6 sigma você consegue conhecer estas variáveis e controla-las. Conseguimos com o controle destas, reduzir este sobe e desce de forma considerável, ou seja, conseguimos ter o processo sobre controle. Algo fantástico, não acham?

Imagine agora que, apesar do processo estar sob controle, você conseguiu manter uma estabilidade nestes custos de embalagem, mas ainda esta longe da sua meta. O que você faz?

Neste momento, o Lean Manufacturing ajuda você fazer este “deslocamento de média”, através de um mapeamento efetivo do fluxo de valor, dos desperdícios e eliminando-os. Conseguimos saber o que precisamos reduzir para chegar lá. Porém, suponha que apesar de mapeado, ainda estamos com uma certa dificuldade de alcançar o ideal, devido à dificuldade do gargalo encontrado, pois dependendo de como atuarmos, o efeito na empresa pode ser pior do que antes da sua atuação, pois muitas vezes que “mexemos” no gargalo, ele simplesmente se desloca para áreas mais críticas ainda, ocasionando um custo maior no produto em questão. Nesta hora, o conhecimento e aplicação da Teoria das Restrições pode ser a solução que faltava para termos mais efetividade neste resultado, estudando a forma de atuação através de uma boa análise de ativo tambor e da evaporação da nuvem, que nada mais é do que um diagrama de resolução de conflitos apropriado para situações em que há um antagonismo entre duas partes envolvidas, pode ser a melhor solução.

E a Confiabilidade?

A confiabilidade permeia todo processo, pois você pode buscar a estabilidade do processo, conseguindo gerenciar de forma eficiente os ativos, aplicando o RCM (Manutenção Centrada em Confiabilidade) por exemplo, pois de acordo com as análises estatísticas, conseguimos saber qual a melhor estratégia de manutenção para cada ativo e, por consequência, os deixando mais confiáveis. Podemos assim deixar equipamentos ou todo sistema mais confiável.

Como o leitor pode perceber, verificamos que estas metodologias são complementares e “poderosas” se forem usadas de forma correta e efetiva.

 

Autor:

* LEONARDO MENDES, Tutor de Formação de Green e Black Belts. É Master Black Belt pela Seta; Master PNL; Analista Comportamental MI3D; MBA Executivo Internacional em Gerenciamento de Projetos – FGV; MBA em Administração de Empresas – FGV (Fundação Getúlio Vargas); Engenheiro de Confiabilidade Certificado com o Certified Reliability Professional; Formado em Engenharia Mecânica – UFPA (Universidade Federal do Pará); Mais de U$$ 40 milhões de ganhos em projetos de 6 sigma e confiabilidade, trabalhando ou atuando em empresas grandes como: Vale, Norsk Hydro, ABB (Asea Brown Boveri), Ford, Braskem, CSPecem.     Autor do Livro C.A.F.E entre gigantes: Metodologia ágil de gestão.

Cursos
ONLINE
Image is not available
Cursos
PRESENCIAIS
Image is not available
previous arrow
next arrow
Slider

Assine nossa Newsletter

Receba novidades sobre nossos Cursos Online e Presenciais, novidades e informações sobre a metodologia Lean Sigma.

Beira Mar Trade Center
Rua Osvaldo Cruz, nº 1, Meireles - Fortaleza-CE
CEP: 60125-151 Fortaleza - Ce - Brasil

Copyright ©2018 Polo Soluções

Desenvolvido por:   Martinho Vieira    (83) 9939-1343   martinhovieira@gmail.com